terça-feira, 17 de dezembro de 2013

EVANGELHO, NA TERRA



EMMANUEL
Traduziremos o Evangelho
Em todas as línguas,
Em todas as culturas...
Exaltando-lhe a grandeza,
Destacando-lhe a sublimidade,
Semeando-lhe a poesia,
Comentando-lhe a verdade,
Interpretando-lhe as lições,
Impondo-nos ao raciocínio,
Aprimorando o coração
E reformando a inteligência,
Renovando leis,
Aperfeiçoando costumes
E aclarando caminhos...
Mas, virá o momento
Em que a Boa Nova deve ser impressa,
em nós mesmos,
Nos refolhos da mente,
Nos recessos do peito,
Através das palavras e das ações.
Dos princípios e ideais,
Das aspirações e das esperanças,
Dos gestos e pensamentos.
Porque, em verdade,
Se o Céu nos permite espalhar-lhe a Divina Mensagem no mundo,
Um dia, exigirá nos convertamos
Em traduções vivas do Evangelho na Terra...


(Do livro "Pão Nosso", mensagem nº 40, Emmanuel, Francisco C. Xavier)

(colaboração de Nelson, irmão da OEEBM; imagem coligida na internet - autoria desconhecida)

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Verdade e ilusão - para reflexão





.
..."Vivemos numa atmosfera de escuridão e desespero... porque nossos olhos estão voltados e fitos na terra, repleta de manifestações físicas e grosseiramente materiais. 


Se, ao invés disso, o homem, prosseguindo na jornada de sua vida, olhasse não para o céu - o que é apenas uma figura de retórica - mas para dentro de si mesmo, e centralizasse seu ponto de observação no homem interior, muito logo escaparia dos rolos compressores da grande serpente da ilusão." (H. Blavatsky)


(imagem coligida da internet - autoria desconhecida)

CONHECIMENTO? Para reflexão...





... "observação dos deveres morais, pensamentos agradáveis, boas ações e palavras amáveis, como também a boa vontade com todos e o total esquecimento do Eu, são os meios mais eficazes de obter conhecimento e preparar-se para a recepção da sabedoria superior"... (H. Blavatsky)

(imagem coligida da internet - autoria desconhecida)

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

OS INSTRUMENTOS DA PERFEIÇÃO

Naquela noite, Simão Pedro trazia à conversação o espírito ralado por extremo desgosto.
Agastara-se com parentes descriteriosos e rudes.
Velho tio acusara-o de dilapidador dos bens da família e um primo ameaçara esbofeteá-lo na via pública.
Guardava, por isso, o semblante carregado e austero.
Quando o Mestre leu algumas frases dos Sagrados Escritos, o pescador desabafou. Descreveu o conflito com a parentela e Jesus o ouviu em silêncio.
Ao término do longo relatório afetivo, indagou o Senhor:
— E que fizeste, Simão, ante as arremetidas dos familiares incompreensivos?
— Sem dúvida, reagi como devia! — respondeu o apóstolo, veemente. — Coloquei cada um no lugar próprio. Anunciei, sem rebuços, as más qualidades de que são portadores. Meu tio é raro exemplar de sovinice e meu primo é mentiroso contumaz. Provei, perante numerosa assistência que ambos são hipócritas, e não me arrependi do que fiz.
O Mestre refletiu por minutos longos e falou, compassivo:
— Pedro, que faz um carpinteiro na construção de uma casa?
— Naturalmente, trabalha — redarguiu o interpelado, irritadiço.
— Com quê? — tornou o Amigo Celeste, bem humorado.
— Usando ferramentas.
Após a resposta breve de Simão, o Cristo continuou:
— As pessoas com as quais nascemos e vivemos na Terra são os primeiros e mais importantes instrumentos que recebemos do Pai, para a edificação do Reino do Céu em nós mesmos. Quando falhamos no aproveitamento deles, que constituem elementos de nossa melhoria, é quase impossível triunfar com recursos alheios, porque o Pai nos concede os problemas da vida, de acordo com a nossa capacidade de lhes dar solução. A ave é obrigada a fazer o ninho, mas não se lhe reclama outro serviço. A ovelha dará lã ao pastor; no entanto, ninguém lhe exige o agasalho pronto. Ao homem foram concedidas outras tarefas, quais sejam as do amor e da humildade, na ação inteligente e constante para o bem comum, a fim de que a paz e a felicidade não sejam mitos na Terra. Os parentes próximos, na maioria das vezes, são o martelo ou o serrote que podemos utilizar a benefício da construção do templo vivo e sublime, por intermédio do qual o Céu se manifestará em nossa alma. Enquanto o marceneiro usa as suas ferramentas, por fora, cabe-nos aproveitar as nossas, por dentro. Em todas as ocasiões, o ignorante representa para nós um campo de benemerência espiritual; o mau é desafio que nos põe a bondade à prova; o ingrato é um meio de exercitarmos o perdão; o doente é uma lição à nossa capacidade de socorrer. Aquele que bem se conduz, em nome do Pai, junto de familiares endurecidos ou indiferentes, prepara-se com rapidez para a glória do serviço à Humanidade, porque, se a paciência aprimora a vida, o tempo tudo transforma.
Calou-se Jesus e, talvez porque Pedro tivesse ainda os olhos indagadores, acrescentou serenamente:
— Se não ajudamos ao necessitado de perto, como auxiliaremos os aflitos, de longe? se não amamos o irmão que respira conosco os mesmos ares, como nos consagraremos ao Pai que se encontra no Céu?
Depois destas perguntas, pairou na modesta sala de Cafarnaum expressivo silêncio que ninguém ousou interromper.

(JESUS NO LAR - Francisco Cândido Xavier - Ed. FEB, 7a. ed, 1972, capítulo 6)

TUDO ESTÁ UNIDO DE ALGUMA FORMA





TUDO ESTÁ UNIDO DE ALGUMA FORMA... OS ELEMENTOS QUÍMICOS SÃO AQUELES DA TABELA PERIÓDICA E FORMAM TUDO, ÁGUA, PEDRAS E TODOS OS SERES VIVOS ! A QUESTÃO É QUAIS ELEMENTOS E QUAIS AS SUAS COMBINAÇÕES!
ESSA "MÁGICA" DE DEUS É INEFÁVEL! INCRÍVEL... INSUPERÁVEL...
O HOMEM CONTUDO ACHA-SE "ACIMA" DE TUDO... ALIÁS, ACHAM-SE ALGUNS HOMENS ACIMA DE OUTROS HOMENS...! NO ENTANTO, A LEI DIVINA É IMUTÁVEL E A VIDA SEGUE SEMPRE EVOLUINDO, AINDA QUE HAJA SABOTAGENS, COMO A QUE O PRÓPRIO HOMEM PRATICA CONTRA SI, A HUMANIDADE E O PLANETA!
SEJAMOS CONSCIENTES DE QUE TUDO ESTÁ DE ALGUM MODO UNIDO... PROCUREMOS SER FELIZES... VIVAMOS EM PAZ!


quinta-feira, 19 de setembro de 2013

A QUEM JESUS DISCRIMINOU?... para refletir

.

.
"Primeiro levaram os comunistas, mas eu não me importei porque não era nada comigo. 


Em seguida levaram alguns operários, mas a mim não me afetou porque não sou operário. 

Depois prenderam os sindicalistas, mas eu não me incomodei porque nunca fui sindicalista. 

Logo a seguir chegou a vez de alguns padres, mas como não sou religioso, também não liguei. 

Agora levaram-me a mim e quando percebi, já era tarde." (Bertold Brecht)

------------------


    AMAR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO! 
    QUANDO NOS PERDEMOS DO MANDAMENTO ACHANDO QUE SOMOS MELHORES QUE "OUTROS" QUE, POR PRECONCEITO, DIFERENCIAMOS DE NÓS, TALVEZ SEJAMOS A "PRÓXIMA VÍTIMA" POIS OUTROS PODEM NOS DISCRIMINAR POR SERMOS GORDOS, VELHOS, PORTADORES DE DEFICIÊNCIA, DOENTES, POR SERMOS DE UM PARTIDO POLÍTICO DIFERENTE, POR TERMOS RELIGIÃO DIFERENTE (E O MESMO DEUS!)... ETC
    PERCEBAMOS QUE A HUMANIDADES SÓ CRESCE E PROGRIDE PORQUE HÁ QUEM PENSE DIFERENTE... O APARENTEMENTE ERRADO DE ONTEM TALVEZ SEJA O CERTO NO FUTURO E SÓ O TEMPO PODERÁ PROVAR... O POVO ANTIGAMENTE ACHAVA QUE VACINA FAZIA MAL E ELAS SALVAM MILHÕES, HAVIA CÁLCULOS "PROVANDO" QUE ANDAR DE TREM MARIA-FUMAÇA LEVARIA À MORTE E HOJE VIAJAMOS EM AVIÕES E FOGUETES, DIZIA-SE QUE A TERRA NÃO ERA REDONDA E POR AÍ VAI...  HÁ POUCAS DÉCADAS AS MULHERES NÃO PODIAM VOTAR...
    A ALEMANHA DE HITLER "ETIQUETOU" GRUPOS QUE DEPOIS MATOU, POR PRECONCEITO CONTRA DEFICIENTES, VELHOS E CRIANÇAS DE GRUPOS QUE DE ALGUM MODO COMBATEU, FOSSEM DE JUDEUS OU COMUNISTAS, DE HOMOSSEXUAIS E DE CIGANOS E O CURIOSO É QUE CADA GRUPO FICAVA QUIETO QUANTO ÀS VIOLÊNCIAS PRATICADAS CONTRA OUTROS...
    NA REVOLUÇÃO FRANCESA OS PRIMEIROS REVOLUCIONÁRIOS, QUE LEVARAM TANTOS À MORTE NA GUILHOTINA, TAMBÉM ACABARAM MORRENDO GUILHOTINADOS ELES PRÓPRIOS... E NO FINAL, NO LUGAR DE MARIA ANTONIETA E DO REI LUIS, VEIO UM IMPERADOR TIDO COMO TERRÍVEL: NAPOLEÃO... E A PAZ SÓ VEIO QUANDO A COROA FOI DEVOLVIDA A DESCENDENTE DOS REIS GUILHOTINADOS...
    CONSEGUIR VIVER EM PAZ E AMAR E RESPEITAR O PRÓXIMO É UM GRANDE APRENDIZADO!
     QUEM NÃO SE LEMBRA QUE O POVO ESTRANHOU QUANDO JESUS FOI À CASA DE ZAQUEU? POIS É, JESUS NÃO DISCRIMINAVA E ESSE GESTO JÁ É O BASTANTE E INDICATIVO DE QUE É PELO AMOR, PELA TOLERÂNCIA, PELA ACOLHIDA QUE SALVAMOS OS IRMÃOS,  NÃO POR DISCRIMINAÇÃO, MEDO E INTOLERÂNCIA... 
     TALVEZ O  MELHOR MODO DE PROGREDIRMOS NESSE ASPECTO SEJA PENSAR SE JESUS DISCRIMINOU ALGUÉM E TÊ-LO COMO EXEMPLO...
    PAZ!

domingo, 11 de agosto de 2013

DIA DOS PAIS



Honremos nossos pais...
Este o melhor presente!

    Aproveitamos para relembrar poema de Mário Quintana, adequado a um dia tão simbólico...


"As mãos do meu pai

   As tuas mãos tem grossas veias 
   como cordas azuis sobre um fundo de manchas
   já cor de terra - como são belas as tuas mãos - 
   pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram
   na nobre cólera dos justos... 

   Porque há nas tuas mãos, meu velho pai, 
   essa beleza que se chama simplesmente vida.
   E, ao entardecer, quando elas repousam 
   nos braços da tua cadeira predileta,
   uma luz parece vir de dentro delas... 

   Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente,
   vieste alimentando na terrível solidão do mundo, 
   como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los 
   contra o vento? Ah, Como os fizeste arder, fulgir, 
   com o milagre das tuas mãos. 

   E é, ainda, a vida que transfigura 
   das tuas mãos nodosas... 
   essa chama de vida - 
   que transcende a própria vida...
   e que os Anjos, um dia, chamarão de alma..."
                                                  (Mário Quintana)



.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

O Mestre e o Apóstolo (Emmanuel)











O MESTRE E O APÓSTOLO
(E-Cap, 1 - item 7)

"Luminosa a coerência entre o Cristo e o Apóstolo que lhe restaurou a palavra.
Jesus, o Mestre. Kardec, o professor.
Jesus refere-se a Deus, junto da fé sem obras.
Kardec fala de Deus, rente às obras sem fé.
Jesus é combatido, desde a primeira hora do Evangelho, pelos que se acomodam na sombra.
Kardec é impugnado desde o primeiro dia do Espiritismo, pelos que fogem da luz.
Jesus caminha sem convenções.
Kardec age sem preconceitos.
Jesus exige coragem de atitudes.
Kardec reclama independência mental.
Jesus convida ao amor.
Kardec impele à caridade.
Jesus consola a multidão.
Kardec esclarece o povo.
Jesus acorda o sentimento.
Kardec desperta a razão.
Jesus constrói.
Kardec consolida.
Jesus revela.
Kardec descortina.
Jesus propõe.
Kardec expõe.
Jesus lança as bases do Cristianismo, entre fenômenos mediúnicos.
Kardec recebe os princípios da Doutrina, através da mediunidade.
Jesus afirma que é preciso nascer de novo.
Kardec explica a reencarnação.
Jesus reporta-se a outras moradas.
Kardec menciona outros mundos.
Jesus espera que a verdade emancipe os homens; ensina que a justiça atribui a cada um pelas próprias obras e anuncia que o Criador será adorado, na Terra, em espírito.
Kardec esculpe na consciência as leis do Universo.
Em suma, diante do acesso aos mais altos valores da vida, Jesus e Kardec estão perfeitamente conjugados pela Sabedoria Divina.
Jesus, a porta.
Kardec, a chave."
(Emmanuel, pelo Médium Francisco Cândido Xavier, Opinião Espírita, Cap. 2, Ed. CEC)

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Os Instrumentos da Perfeição - Neio Lúcio




"Os instrumentos da perfeição


Naquela noite, Simão Pedro trazia à conversação o espírito ralado por extremo desgosto.
Agastara-se com parentes descriteriosos e rudes.
Velho tio acusara-o de dilapidador dos bens da família e um primo ameaçara esbofeteá-lo na via pública.
Guardava, por isso, o semblante carregado e austero.
Quando o Mestre leu algumas frases dos Sagrados Escritos, o pescador desabafou. Descreveu o conflito com a parentela e Jesus o ouviu em silêncio.
Ao término do longo relatório afetivo, indagou o Senhor:
— E que fizeste, Simão, ante as arremetidas dos familiares incompreensivos?
— Sem dúvida, reagi como devia! — respondeu o apóstolo, veemente. — Coloquei cada um no lugar próprio. Anunciei, sem rebuços, as más qualidades de que são portadores.
Meu tio é raro exemplar de sovinice e meu primo é mentiroso contumaz. Provei, perante numerosa assistência, que ambos são hipócritas, e não me arrependi do que fiz.
O Mestre refletiu por minutos longos e falou, compassivo:
— Pedro, que faz um carpinteiro na construção de uma casa?
— Naturalmente, trabalha — redargüiu o interpelado, irritadiço.
— Com quê? — tornou o Amigo Celeste, bem-humorado.
— Usando ferramentas.
Após a resposta breve de Simão, o Cristo continuou:
— As pessoas com as quais nascemos e vivemos na Terra são os primeiros e mais importantes instrumentos que recebemos do Pai, para a edificação do Reino do Céu em nós mesmos. Quando falhamos no aproveitamento deles, que constituem elementos de nossa melhoria, é quase impossível triunfar com recursos alheios, porque o Pai nos concede os problemas da vida, de acordo com a nossa capacidade de lhes dar solução. A ave é obrigada a fazer o ninho, mas não se lhe reclama outro serviço. A ovelha dará lã ao pastor; no entanto, ninguém lhe exige o agasalho pronto. Ao homem foram concedidas outras tarefas, quais sejam as do amor e da humildade, na ação inteligente e constante para o bem comum, a fim de que a paz e a felicidade não sejam mitos na Terra. Os parentes próximos, na maioria das vezes, são o martelo ou o serrote que podemos utilizar a benefício da construção do templo vivo e sublime, por intermédio do qual o Céu se manifestará em nossa alma. Enquanto o marceneiro usa as suas ferramentas, por fora, cabe-nos aproveitar as nossas, por dentro. Em todas as ocasiões, o ignorante representa para nós um campo de benemerência espiritual; o mau é desafio que nos põe a bondade à prova; o ingrato é um meio de exercitarmos o perdão; o doente é uma lição à nossa capacidade de socorrer. Aquele que bem se conduz, em nome do Pai, junto de familiares
endurecidos ou indiferentes, prepara-se com rapidez para a glória do serviço à Humanidade, porque, se a paciência aprimora a vida, o tempo tudo transforma.
Calou-se Jesus e, talvez porque Pedro tivesse ainda os olhos indagadores, acrescentou serenamente:
— Se não ajudamos ao necessitado de perto, como auxiliaremos os aflitos, de longe? Se não amamos o irmão que respira conosco os mesmos ares, como nos consagraremos ao Pai que se encontra no Céu?
Depois destas perguntas, pairou na modesta sala de Cafarnaum expressivo silêncio que ninguém ousou interromper."

(Espírito Neio Lúcio, por Francisco Cândido Xavier, in Jesus no Lar, ed. Feb)

terça-feira, 21 de maio de 2013

CURA - Emmanuel


.
"Realmente Jesus curou muitos enfermos e recomendou-os, de modo especial, aos discípulos. Todavia, o Médico Celestial não se esqueceu de requisitar ao Reino Divino quantos se restauram nas deficiências humanas.

Não nos interessa apenas a regeneração do veículo em que nos expressamos, mas, acima de tudo, o corretivo espiritual.

Que o homem comum se liberte da enfermidade, mas é imprescindível que entenda o valor da saúde. Existe, porém tanta dificuldade para compreendermos a lição oculta da moléstia no corpo, quanta se verifica em assimilarmos o apelo ao trabalho santificante que nos é endereçado pelo equilíbrio orgânico.

Permitiria o Senhor a constituição da harmonia celular apenas para que a vontade viciada viesse golpeá-la e quebrá-la em detrimento do espírito ?

O enfermo pretenderá o reajustamento das energias vitais, entretanto, cabe-lhe conhecer a prudência e o valor dos elementos colocado à sua disposição na experiência edificante da Terra.

Há criaturas doentes que lastimam a retenção no leito e choram aflitas, não porque desejem renovar concepções acerca dos sagrados fundamentos da vida, mas por se sentirem impossibilitados de prolongar os próprios desatinos.

É sempre útil curar os enfermos, quando haja permissão de ordem superior para isto, contudo, em face de semelhante concessão do Altíssimo, é razoável que o interessado na bênção reconsidere as questões que lhe dizem respeito, compreendendo que raiou para seu espírito um novo dia no caminho redentor."
 (Emmanuel - Pão Nosso – Psicografia: Francisco Cândido Xavier – Ed.: FEB)

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Necessário - Emmanuel




..."O teu trabalho é a oficina

Em que podes forjar a tua própria luz."

Emmanuel


================


"Terás muitos negócios próximos ou remotos, mas não poderás subtrair-lhes o caráter de lição, porque a morte te descerrará realidades com as quais nem sonhas de leve...


Administrarás interesses vários, entretanto, não poderás controlar todos os ângulos do serviço, de vez que a maldade e a indiferença se insinuam em todas as tarefas, prejudicando o raio de ação de todos os missionários da elevação.

Amealharás enorme fortuna, todavia, ignorarás, por muitos anos, a que região da vida te conduzirá o dinheiro.

Improvisarás pomposos discursos, contudo, desconheces as consequências de tuas palavras.

Organizarás grande movimento em derredor de teus passos, no entanto, se não construíres algo dentro deles para o bem legítimo, cansar-te-ás em vão.

Experimentarás muitas dores, mas, se não permaneceres vigilante no aproveitamento da luta, teus dissabores correrão inúteis.

Exaltarás o direito com o verbo indignado e ardoroso, todavia, é provável não estejas senão estimulando a indisciplina e a ociosidade de muitos.

“Uma só coisa é necessária”, asseverou o Mestre, em sua lição a Marta, cooperadora dedicada e ativa.

Jesus desejava dizer que, acima de tudo, compete-nos guardar, dentro de nós mesmos, uma atitude adequada, ante os desígnios do Todo-Poderoso, avançando, segundo o roteiro que nos traçou a Divina Lei. Realizado esse “necessário”, cada acontecimento, cada pessoa e cada coisa se ajustarão, a nossos olhos, no lugar que lhes é próprio. Sem essa posição espiritual de sintonia com o Celeste Instrutor, é muito difícil agir alguém com proveito."

(Emmanuel  -  psicografia de Francisco Cândido Xavier – Livro: Vinha de Luz)

terça-feira, 14 de maio de 2013

LEVANTE O CAÍDO - ANDRÉ LUIZ




"LEVANTE O CAÍDO.

VOCÊ IGNORA ONDE OS SEUS PÉS TROPEÇARÃO"

(ANDRÉ LUIZ)

CONDUTA ESPÍRITA

CONDUTA ESPÍRITA


"Entrar pontualmente no templo espírita para tomar parte das reuniões, sem provocar alarido ou perturbações.

O templo é local previamente escolhido para encontro com as Forças Superiores." (obra citada, p. 37)

--

"Controlar as manifestações mediúnicas que veicula, reprimindo, quanto possível, respiração ofegante, gemidos, gritos e contorções, batimentos de mãos e pés ou quaisquer gestos violentos.

O medianeiro será sempre o responsavel direto pela mensagem de que se faz portador" (obra citada, p. 22)

--

"Conversar sobre fenômenos mediúnicos e princípios espíritas apenas em ambientes receptivos.

Hà terrenos que ainda não estão prontos para a semeadura" (obra citada. p. 78)

--

"Dedicar a melhor atenção aos doutrinadores, sem conversação, bocejo ou tosse barulhenta, para que seja mantido o justo respeito ao lar da oração.

Os atos da criatura revelam-lhe os propósitos." (obra citada, p. 37)

--

Para nós, todo o bem puro e nobre procede de Jesus Cristo, 
nosso Mestre e Senhor" (obra citada, p. 78)



(destacamos aqui alguns pontos, dos muitos e importantes que constam na obra "CONDUTA ESPÍRITA", do médium Waldo Vieira, ex-parceiro de Chico Xavier, pelo espírito André Luiz, Ed. Feb, 1960)




IMAGEM COLIGIDA DA INTERNET - AUTORIA DESCONHECIDA
.

terça-feira, 7 de maio de 2013

SOMENTE O NECESSÁRIO, O EXTRAORDINÁRIO É DEMAIS

.




... "Eu uso o necessário

Somente o necessário

O extraordinário é demais

Eu digo o necessário

Somente o necessário

Por isso é que essa vida eu vivo em paz" ...

(trecho da letra cantada pelo personagem Balu, do desenho animado Mogli, da Disney, lançado em 1967)


-----------------


Viver em Paz

"..Vivei em paz..."
Paulo, (II CORÍNTIOS. 13:11.) 

Mantém-te em paz. 
É provável que os outros te guerreiem gratuitamente, hostilizando-te a maneira de viver; entretanto, podes avançar em teu roteiro, sem guerrear a ninguém. 

Para isso, contudo - para que a tranqüilidade te banhe o pensamento -, é necessário que a compaixão e a bondade te sigam todos os passos. 
Assume contigo mesmo o compromisso de evitar a exasperação. 

Junto da serenidade, poderás analisar cada acontecimento e cada pessoa no lugar e na posição que lhes dizem respeito. 

Repara, carinhosamente, os que te procuram no caminho... 
Todos os que surgem, aflitos ou desesperados, coléricos ou desabridos, trazem chagas ou ilusões. Prisioneiros da vaidade ou da ignorância, não souberam tolerar a luz da verdade e clamam irritadiços... Unge-te de piedade e penetra-lhes os recessos do ser, e identificarás em todos eles crianças espirituais que se sentem ultrajadas ou contundidas. 

Uns acusam, outros choram. 
Ajuda-os, enquanto podes. 
Pacificando-lhes a alma, harmonizarás, ainda mais, a tua vida. 
Aprendamos a compreender cada mente em seu problema. 

Recorda-te de que a Natureza, sempre divina em seus fundamentos, respeita a lei do equilíbrio e conserva-a sem cessar. 

Ainda mesmo quando os homens se mostram desvairados, nos conflitos abertos, a Terra é sempre firme e o Sol fulgura sempre. 

Viver de qualquer modo é de todos, mas viver em paz consigo mesmo é serviço de poucos."...
(Autor: Emmanuel - 
Psicografia de Chico Xavier; Livro: Fonte Viva)



DÊ VALOR À SUA VIDA E AO QUE VOCÊ TEM


..."Uns queriam um emprego melhor; outros, um emprego...

Uns queriam uma refeição mais farta; outros, apenas uma refeição...


Uns queriam uma vida mais amena; outros, apenas viver...

Uns queriam ter pais mais esclarecidos; outros, apenas ter pais...

Uns queriam ter olhos claros; outros, apenas enxergar... 


Uns queriam ter voz bonita; outros apenas falar... 


Uns queriam o silêncio; outros, ouvir... 


Uns queriam um sapato novo; outros, ter pés... 


Uns queriam um carro; outros, andar... 


Uns queriam o supérfluo... 


Outros, apenas o necessário" ...

(CHICO XAVIER)

O servo inconstante




O SERVO INCONSTANTE
.
À frente de todos os presentes, o Mestre narrou com simplicidade:
- Certo homem encontrou a luz da Revelação Divina e desejou ardentemente habilitar-se para viver entre os Anjos do Céu.
Tanto suplicou essa bênção ao Pai que, através da inspiração, o Senhor o enviou ao aprimoramento necessário com vistas ao fim a que se propunha.
Por intermédio de vários amigos, orientados pelo Poder Divino, o candidato, que demonstrava acentuada tendência pela escultura, foi conduzido a colaborar com antigo mestre, em mármore valioso.
No entanto, a breve tempo, demitiu-se, alegando a impossibilidade de submeter-se a um homem ríspido e intratável; transferiu-se, desse modo, para uma oficina consagrada à confecção de utilidades de madeira, sob as diretrizes de velho escultor.
Abandono-o também, sem delongas, asseverando que não lhe era possível suportá-lo.
Em seguida, empregou-se sob as determinações de conhecido operário especializado em construção de colunas em estilo grego. Não tardou, entretanto, a deixá-lo, declarando não lhe tolerar as exigências.
Logo após, entregou-se ao trabalho, sob as ordens de experimentado escultor de ornamentações em arcos festivos, mas finda uma semana, fugiu aos compromissos assumidos, afirmando haver encontrado um chefe por demais violento e irritadiço.
Depois, colocou-se sob a orientação de um fabricante de arcas preciosas, de quem se afastou, em poucos dias, a pretexto de se tratar de criatura desalmada e cruel.
E, assim, de tarefa em tarefa, de oficina em oficina, o aspirante ao Céu dizia, invariavelmente, que não lhe era possível incorporar as próprias energias à experiência terrestre, por encontrar, em toda parte, o erro, a maldade e a perseguição nos que o dirigiam, até que a morte veio buscá-lo à presença dos Anjos do Senhor.
Com surpresa, porém, não os encontrou tão sorridentes quanto aguardava. Um deles avançou, triste, e indagou:
- Amigo, por que não te preparaste ante os imperativos do Céu?
O interpelado que identificava a própria inferioridade, nas sombras em que se envolvia, clamou em pranto que só havia encontrado exigência e dureza nos condutores da luta humana.
O Mensageiro, no entanto, observou, com amargura:
- O Pai chamou-te a servir em teu próprio proveito e, não, a julgar. Cada homem dará conta de si mesmo a Deus. Ninguém escapará à Justiça Divina que se pronuncia no momento preciso. Como pudeste esquecer tão simples verdade, dentro da vida?
O malho bate a bigorna, o ferreiro conduz o malho, o comerciante examina a obra do ferreiro, o povo dá opinião sobre o negociante, e o Senhor, no Conjunto, analisa e julga a todos. Se fugiste a pequenos serviços do mundo, sob a alegação de que os outros eram incapazes e indignos da direção, como poderás entender o ministério celestial?
E o trabalhador inconstante passou às consequências de sua queda impensada.
Jesus fêz uma pausa e concluiu:
-Quem estiver sob o domínio de pessoas enérgicas e endurecidas na disciplina, excelentes resultados conseguirá recolher se souber e puder aproveitar-lhes a aspereza, inspirando-se na madeira bruta ao contacto da plaina benfeitora.
Abençoada seja a mão que educa e corrige, mas bem-aventurado seja aquele que se deixa aperfeiçoar ao seu toque de renovação e aprimoramento, porque os mestres do mundo sempre reclamam a lição de outros mestres, mas a obra do bem, quando realizada para todos, permanece eternamente."
(Jesus no Lar - Francisco Cândido Xavier - Ed. FEB).


.

terça-feira, 30 de abril de 2013

Exposição sobre livros espíritas, na Câmara dos Deputados


Encerrou-se hoje, dia 30 de abril, a exposição sobre livros espíritas, realizada em Brasília - DF, na Câmara dos Deputados.
"Livro Espírita para um Novo Mundo" era o título da exposição, realizada de 15 a 30 de abril.
O projeto foi realizado pela FEB - Federação Espírita Brasileira, por iniciativa do Deputado Marco Aurélio Ubiali.
A exposição contou com grandes obras das FEB Editora, artigos, vídeos alusivos às obras e às personalidades do espíritismo e materiais históricos, incluindo certidão de nascimento de Chico Xavier.

fonte http://www.radioboanova.com.br/site/noticias-destaque/c%C3%A2mara-dos-deputados-e-feb-promovem-exposi%C3%A7-livros-esp%C3%ADritas e http://www.febnet.org.br/blog/geral/divulgacao/sucesso-da-exposicao-sobre-livros-espiritas-na-camara-dos-deputados/

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Amai-vos e instrui-vos (para reflexão)

.


.
"Venho, como outrora, entre os filhos desgarrados de Israel, trazer a verdade e dissipar as trevas. Escutai-me. O Espiritismo, como outrora a minha palavra, deve lembrar os incrédulos que acima deles reina a verdade imutável: o Deus bom, o Deus grande, que faz germinar as plantas e que levanta as ondas. Eu revelei a doutrina divina; e, como um segador, liguei em feixes o bem esparso pela humanidade, e disse: “Vinde a mim, todos vós que sofreis!”


Mas os homens ingratos se desviaram da estrada larga e reta que conduz ao Reino de meu Pai, perdendo-se nas ásperas veredas da impiedade. Meu Pai não quer aniquilar a raça humana. Ele quer que, ajudando-vos uns aos outros, mortos e vivos, ou seja, mortos segundo a carne, porque a morte não existe, sejais socorridos, e que não mais a voz dos profetas e dos apóstolos, mas a voz dos que se foram, faça-se ouvir para vos gritar: Crede e orai! Porque a morte é a ressurreição, e a vida é a prova escolhida, durante a qual vossas virtudes cultivadas devem crescer e desenvolver-se como o cedro.

Homens fracos, que vos limitais às trevas de vossa inteligência, não afasteis a tocha que a clemência divina vos coloca nas mãos, para iluminar vossa rota e vos reconduzir, crianças perdidas, ao regaço de vosso Pai.

Estou demasiado tocado de compaixão pelas vossas misérias, por vossa imensa fraqueza, para não estender a mão em socorro aos infelizes extraviados que, vendo o céu, caem nos abismos do erro. Crede, amai, meditai todas as coisas que vos são reveladas; não misturem o joio ao bom grão, as utopias com as verdades.

Espíritas; amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo. Todas as verdades se encontram no Cristianismo; os erros que nele se enraizaram são de origem humana; e eis que, de além túmulo, que acreditáveis vazios, vozes vos clamam: Irmãos! Nada perece. Jesus Cristo é o vencedor do mal; sede os vencedores da impiedade!"
(O Espírito de Verdade - Paris, 1860 - extraído de Estudo e Prática da Mediunidade - Programa I, ed. FEB, 2013, p. 90-91)

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Curas - Emmanuel






"E curai os enfermos que nela houver e dizei-lhes:

É chegado a vós o reino de Deus."

Jesus - (Lucas, 10:9.)

--

... "Realmente Jesus curou muitos enfermos e recomendou-os, de modo especial, aos discípulos. Todavia, o Médico Celestial não se esqueceu de requisitar ao Reino Divino quantos se restauram nas deficiências humanas.

Não nos interessa apenas a regeneração do veículo em que nos expressamos, mas, acima de tudo, o corretivo espiritual.

Que o homem comum se liberte da enfermidade, mas é imprescindível que entenda o valor da saúde. Existe, porém, tanta dificuldade para compreendermos a lição oculta da moléstia no corpo, quanta se verifica em assimilarmos o apelo ao trabalho santificante que nos é endereçado pelo equilíbrio orgânico.

Permitiria o Senhor a constituição da harmonia celular apenas para que a vontade viciada viesse golpeá-la e quebrá-la em detrimento do espírito?

O enfermo pretenderá o reajustamento das energias vitais, entretanto, cabe-lhe conhecer a prudência e o valor dos elementos colocados à sua disposição na experiência edificante da Terra.

Há criaturas doentes que lastimam a retenção no leito e choram aflitas, não porque desejem renovar concepções acerca dos sagrados fundamentos da vida, mas por se sentirem impossibilitadas de prolongar os próprios desatinos.

É sempre útil curar os enfermos, quando haja permissão de ordem superior para isto, contudo, em face de semelhante concessão do Altíssimo, é razoável que o interessado na bênção reconsidere as questões que lhe dizem respeito, compreendendo que raiou para seu espírito um novo dia no caminho redentor."... 
(em Pão Nosso, Espírito Emmanuel, em obra

de Francisco Cândido Xavier, ed. Feb, 

Esforço e Oração (Emmanuel)




    De vez em quando, surgem grupos religiosos que preconizam o absoluto retiro das lutas humanas para os serviços da oração.

   Nesse particular, entretanto, o Mestre é sempre a fonte dos ensinamentos vivos. O trabalho e a prece são duas características de sua atividade divina. Jesus nunca se encerrou a distância das criaturas, com o fim de permanecer em contemplação absoluta dos quadros divinos que lhe iluminavam o coração, mas também cultivou a prece em sua altura celestial.

   Despedida a multidão, terminado o esforço diário, estabelecia a pausa necessária para meditar, à parte, comungando com o Pai, na oração solitária e sublime.

   Se alguém permanece na Terra, é com o objetivo de alcançar um ponto mais alto, nas expressões evolutivas, pelo trabalho que foi convocado a fazer. E, pela oração, o homem recebe de Deus o auxílio indispensável à santificação da tarefa.

   Esforço e prece completam-se no todo da atividade espiritual.

   A criatura que apenas trabalhasse, sem método e sem descanso, acabaria desesperada, em horrível secura do coração; aquela que apenas se mantivesse genuflexa, estaria ameaçada de sucumbir pela paralisia e ociosidade.

   A oração ilumina o trabalho, e a ação é como um livro de luz na vida espiritualizada.

   Cuida de teus deveres porque para isso permaneces no mundo, mas nunca te esqueças desse monte, localizado em teus sentimentos mais nobres, a fim de orares “à parte”, recordando o Senhor. 

(extraído do cap. 6 do livro Caminho, Verdade e Vida, ditado por Emmanuel, em obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier)

terça-feira, 19 de março de 2013

REJUBILA-TE SEMPRE (Emmanuel)

.








Rejubila-te Sempre
(Emmanuel)

Mesmo em provas difíceis,
Rejubila-te e serve.

A natureza em tudo
É um cântico de amor.

Cada flor é um poema,
Toda fonte é bondade.

O Sol, cada manhã,
É uma explosão de luz.

Dor é apenas estrada
Para as horas felizes.

A alegria na vida
É presença de Deus.

DEUS SABE (Emmanuel)





DEUS SABE
(Emmanuel)

Deus conhece, em verdade,
todos os sofredores.

Não acuses ninguém
pela dor que há nas ruas.

Não agraves a luta
das crianças sem lar

Não faças julgamento 
de supostos culpados.

O que o Céu quer saber
é o que fazes no bem.

Nâo condenes, ampara,
Deus acredita em ti

quinta-feira, 14 de março de 2013

AFIRMAÇÃO



AFIRMAÇÃO
(Emmanuel)

"O Céu auxilia
sempre
a quem trabalha
mas espera de quem trabalha
o auxílio possível
para todos aqueles
que ainda não descobriram
a felicidade de trabalhar"

(imagem coligida da internet - autoria desconhecida)

quarta-feira, 13 de março de 2013

QUEM ÉS TÚ?







No livro ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS, de LEWIS CARROL, há passagem onde a personagem Alice encontra a lagarta e se dá o seguinte diálogo:

"- Quem és tu? Estas palavras não eram lá muito encorajadoras para começar uma conversa. Alice respondeu timidamente: - Eu…senhor, eu agora neste momento nem sei. Sei, pelo menos, o que eu era, quando me levantei esta manhã, mas acho que devo ter mudado várias vezes desde então...

- Que história é essa? – disse a Lagarta, com um ar severo – Explica-te bem!
- Eu não me posso explicar, senhor, porque eu não sou eu, percebe…- disse  Alice. No momento não tenho muita certeza. Quer dizer, eu sei quem eu era quando acordei hoje de manhã, mas já mudei uma porção de vezes desde que isso aconteceu.  Receio que não possa me explicar, porque é justamente aí que está o problema. Posso explicar uma porção de coisas mas não posso explicar a mim mesma.

-Tu?? Ora, quem es tu..."

Mais adiante, falam assim:

..."Bem, talvez você ainda não percebeu isso’, 
replicou Alice, ‘mas quando você tiver que se 
transformar num casulo – você terá um dia, você 
sabe – e então, depois disso, numa borboleta, 
eu penso que você sentirá 
isso um pouco estranho, não?’



Na mesma linha, o filósofo SÓCRATES disse a célebre frase: "-Só sei que nada sei"...

Para falar nos clássicos, dentre tantos também agora recordamos a seguinte frase, contida no livro O PEQUENO PRÍNCIPE, de ANTONIE EXUPÉRY , in verbis:

" _ Os homens esqueceram essa verdade, 
disse a raposa. Mas tu não a deves esquecer. 
Tu te tornas eternamente responsável 
por aquilo que cativas." ...

JESUS nos disse que se conhece os homens pelas obras, como nos narram os Evangelistas Lucas, Mateus e Marcos (Lucas, VI: 43-45; Mateus, VII: 15-20 e  XXIV: 4-5, 11-13, 23-24; Marcos, XIII: 5-6, 21-22)

 Temos a concepção de que o caminho para a autocompreensão passa pela capacidade de assumir que não podemos dominar tudo na vida, que não dominamos os pensamentos das pessoas com quem convivemos, que não somos o centro do mundo, que nos é impossível saber tudo ou entender absolutamente tudo, mas que devemos estar atentos ao que nos cerca e a nos permitir ao menos sentir o quão importantes somos nessa complexa existência... 

Aquela frase de Sócrates, acima transcrita, nos dá bem a idéia de que somos eternos aprendizes.     Estamos aqui para aprender e, no exercício do livre-arbítrio, prosperar em nosso aprendizado  e evolução moral. SE não somos perfeitos somos, no  entanto, perfectíveis, ou seja, podemos aprender  com os bons tanto quanto com os nossos erros etc

Se somos intolerantes, como podemos exigir que sejam tolerantes com os nossos tantos erros e defeitos? 

Se não aceitamos que envelhecemos ou se não gostarmos da imagem que vemos refletida no espelho, como podemos esperar que outros nos aceitem ou gostem de nós? Afinal,   somos o que somos ou somos um personagem que criamos para sobreviver nesse mundo? Os que convivem conosco realmente nos conhecem ou apenas se iludem ao "conviverem" com um personagem?

Somos capazes de sorrir espontaneamente ou disfarçamos nossas emoções nos escondendo atrás de um sorriso disfarçado?

Se não nos valorizamos, se não nos achamos capazes, se não buscamos superar certas dificuldades, se não temos fé em Deus ou em nós, como poderemos esperar que outros confiem em nós?

Se nos damos pouco, como esperar que as pessoas correspondam com generosas manifestações de afeto, respeito, carinho, solidariedade e amor? Afinal, é dando que se recebe !

Aliás, como disse EXUPÉRY, no livro antes citado, nos tornamos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos... ou como disse-nos CHICO XAVIER, a semeadura é livre, mas a colheita obrigatória...

Somos imagem e semelhança de Deus, do Deus vivo, incondicionalmente amoroso, onipesente e onisciente e onipotente. Temos em nós a centelha divina... Somos parte do Todo... Somos deuses, como Jesus falou (...-"Vós sois deuses" ).  Quando nos sentimos parte do todo, quando temos o coração cheio de amor a Deus e ao próximo, quando nos sentimos integrados nesse contexto movido pelo verbo, pelo Amor, não nos sentimos isolados, doentes ou abandonados, mas importante parte da obra maior...

Que não tenhamos medo de errar ou acertar, que não tenhamos medo de nós mesmos, que não tenhamos medo dos nossos medos, que não tenhamos medo de nos mostrarmos sem máscaras ou disfarces cercados por nossos entes queridos, sejam familiares ou amigos, que estejamos com o coração aberto para que Deus nos toque - basta que queiramos e que não nos fechemos à pura energia ao ao fluido universal - e transforme as nossas vidas e que assim o nosso embrutecido coração possa bater mais forte, potencializado pelo fluir natural e leve do Amor que nos envolve...

Paz!



(imagem coligida da internet - autoria desconhecida)